Muitos produtos feitos com chá não são lá essas coisas. Alguns, usam sabores artificiais que imitam tipos diferentes da erva e, claro, são terríveis. Já outros misturam tantas coisas que acabam escondendo o gosto do ingrediente. Embora, na história, chá e culinária estivessem relacionados, cozinhar com a erva é um desafio. Sempre fico pensando no que ouvi de uma chef que entrevistei para uma matéria e que fez um cardápio de comidinhas com chá, a Rita Taraborelli: “o chá é como um tempero”. Não deve ser de mais e nem de menos. E se a qualidade for ruim, vai comprometer o sabor do que está fazendo.

A combinação pode ser um fiasco mesmo em coisas mais simples como unir chocolate e chá. Comi alguns exemplos que usavam a planta na composição, mas o que mais curti até agora foi esse aí de cima. O com o chá verde sencha é bem sutil, mas mesmo assim as folhas não se perdem no chocolate. Dá para sentir a folhas trituradas na textura da barra ao leite. O de earl grey gostei ainda mais. Tem um sabor mais cítrico, por conta do tipo, e é menos doce do que o com sencha.

Na Loja do Chá, em São Paulo, tem combinações bastante interessantes. O brigadeiro de earl grey é de pedir um atrás do outro. E um doce que leva o defumado lapsang souchong impressiona.

As barras da Dolfin são legais também para usar em alguma sobremesa. De repente, como cobertura ou como raspas sobre um doce. Fora que a embalagem é uma graça. Ainda não vi por aqui, mas dá para saber mais sobre a marca e conhecer outros tipos também com chá no site www.dolfin.be